Dicas, truques, tutoriais, reviews, promoções e informação

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Dicas para aprender inglês falado sem gastar

Bem, hoje farei um special post aqui no blog, tratando de um assunto popular e bastante procurado: O inglês falado. Fui 'intimado' a criar um post a respeito e vou explicar o motivo.

Morei 3 anos nos Estados Unidos (pretendo morar novamente), Nova York, através de um intercâmbio -- voltado a trabalho e estudo -- para aprimorar meu inglês. Desde que voltei e comecei a dar aulas particulares para pessoas que estão prestes a ir para o exterior com o mesmo intuito que eu fui, muita gente pede para eu postar algo sobre isso aqui.

Claro que durante esses 3 anos adquiri experiências e, principalmente, aprendi muita coisa com os nativos. São experiências que sempre passo aos meus alunos e conhecidos.

E nada melhor do que dividir essa experiência com os queridos leitores deste blog também.

Se você já passou por essa experiência, ou está em dúvida, interessado(a) ou curioso(a) sobre algo relacionado, deixe um comentário pois terei enorme prazer em responder! :)


Esqueça a Gramática


Muitos vão dizer... "Ei Marcelo, WTF? Tá louco?"... mas é a mais pura verdade, pessoal. Se você quer pronunciar e compreender bem o inglês falado, evite a gramática em seus estudos. Você ficará preso às regras e isso irá atrapalhar seu raciocínio. Pensem bem, quando conversamos em português (nossa língua materna) não paramos para analisar a estrutura gramatical, simplesmente conversamos naturalmente.

A gramática é fundamental somente para textos e literatura, mas não para adquirir fluência. É só lembrar: quando crianças, primeiro aprendemos a falar e depois a escrever e entender gramática.

Muitos cursinhos de inglês por aí, e até mesmo nas escolas, eles tentam colocar a gramática na cabeça de seus alunos, forçando-os a pensar nela durante uma conversa. Isso apenas retarda uma futura fluência.

Concentre-se em frases e expressões completas, em vez de palavras avulsas. Nós não nos comunicamos utilizando palavras avulsas, mas sim frases e termos prontos. Saber 100 frases é muito melhor do que saber 100 palavras, pois será possível haver uma comunicação.

Infelizmente fomos alfabetizados no inglês de maneira incorreta. Ao meu ver, as escolas deveriam preparar melhor os alunos para ganhar fluência nesse idioma, visto que é um item rico e um dos mais requisitados (senão o mais) em entrevistas de emprego. Talvez seja essa a razão pela qual apenas 1% dos brasileiros saibam inglês avançado.


Pense em inglês


É comum, quando lemos ou ouvimos algo em inglês, querermos traduzir aquilo. Mas isso, embora normal no começo, muitas vezes pode atrapalhar e fazer com que você perca o rumo do diálogo. Afinal, você estará designando seu cérebro a fazer duas coisas simultâneas -- absorver o que foi dito e traduzir -- sendo que você ainda não domina bem o idioma.

Tanto a tradução ao pé da letra (palavras avulsas) quanto a tradução simultânea (a famosa 'tradução mental'), prejudicam a sua evolução na língua e deixam a compreensão mais lenta. O inglês não funciona assim, pois nem sempre o que está em inglês pode ser traduzido (é o caso das expressões). Se você se acostumar a traduzir tudo, vai ficar sempre dependente do português e não vai aprender inglês.

Você tem que entendê-lo instantaneamente, pensar nele como se fosse algo comum. Sem traduções ou associações. Claro que no início a tradução será automática. Mas tente evitar ao longo dos estudos.

Tentar traduzir ao pé da letra pode confundir completamente. Quer uma demonstração prática? Leia as frases a seguir.

EXEMPLOS :

- Take a seat
- Take me out to dinner


Se formos traduzir essas frases palavra por palavra, ao pé da letra, ficaria assim:

- Tome um acento
- Me tome fora para jantar


Estranho, não?!

Agora, traduzindo corretamente:

- Sente-se (Take a seat)
- Leve-me para jantar (Take me out to dinner)
.

A chave para o sucesso é pensar em inglês, ler em inglês, idealizar o contexto do diálogo, e não ficar associando-o a algo ou alguma coisa. Agora, isso leva tempo, e tudo dependerá da sua dedicação ao estudo. A audição será sua melhor arma. Então, deixe um pouco os textos escritos de lado, e dê mais atenção ao ouvido.

O começo será cruel. A frustração e o desespero estarão presentes com certeza. Mas, take it easy and patience! Ah, e não tenha medo de errar, pois no início será inevitável!

Acostume sua dicção


Incrementando a dica anterior, introduza o inglês em sua vida de maneira intuitiva e confortável. Sempre que for fazer compras (seja em supermercado, padaria, loja, bar, lanchonete, etc), solicitar alguma informação, ler algo, pesquisar algo, ou qualquer outra coisa, pense em como você faria isso em inglês.

POR EXEMPLO:

Quanto custa a cerveja?
How much is the beer?

Como faço para chegar no shopping?
How do I get at the mall?

Puts, estou tão cansado(a)!
Oh shit, I'm so tired!

Quando chegar em casa, vou tomar um banho.
When I get home, i'm gonna have a bath.

Eu vou te buscar, ok?
I'll pick you up, ok?

Nós vamos ver um filme. Depois vamos comer. Você vem?
We're gonna see a movie. Then we're gonna eat. You gonna come?

OBS: Nas frases acima optei por utilizar a tradução livre, em vez da tradução juramentada. Inclusive, particularmente, indico a tradução livre para casos em que você tiver que traduzir algo para alguém.

São coisas corriqueiras e fáceis de guardar, além de muito úteis estando no estrangeiro.
Sem muito esperar o inglês passará a soar da sua boca imperceptivelmente.


Vídeos & Músicas


Quem não gosta de assistir um filminho, um seriado ou curtir uma bela música em inglês? Então por que não usá-los a seu favor nos estudos? Tire proveito deles!

Os vídeos ajudam significativamente no processo de aprendizagem de outra língua. São ótimas fontes de conhecimento e amadurecimento da língua, uma vez que há muitos diálogos e termos novos.

Pegue um filme/seriado/música que você goste bastante e vá prestando atenção nas falas. Só tome cuidado com áudios do gênero Rap, Hip Hop, alguns Pops, entre outros. Nada contra, mas eles costumam utilizar um vocabulário mais informal, cheio de gírias e expressões pouco conhecidas. O que pode levar a confusão.

Meu conselho para um treinamento eficaz:

1) Assista o seu vídeo favorito com legenda em português.
2) Em seguida, coloque a legenda em inglês (se houver) e assista uns 3/5 minutos do vídeo.
3) Volte este trecho e tire a legenda (ou tape-a com um papel), e tente anotar o que foi dito.
4) Não se preocupe em errar. É assim que se aprende.
5) Após corrigir o texto, diga-o em voz alta, pronunciando corretamente as palavras.

No começo você entenderá algo como: nashuehismhdnbfhteyu, jdybfu? Hnjanmdi... ou seja, absolutamente nada. Vai parecer um vídeo japonês. Mas é porque seu cérebro não está adaptado a lidar com essas informações ainda. A força de vontade deve prevalecer.

Faça isso diariamente. Deixe que seu ouvido e sua boca acostumem-se sozinhos com o novo idioma. Não há necessidade de ser 24 horas por dia.

Praticando algumas horinhas, todos os dias, já é mais do que suficiente.


PODCASTS e NOTICIÁRIOS


O ouvido é o instrumento principal no estudo de línguas estrangeiras. Melhorando seu listening, tudo ficará mais fácil e menos "poluído". Deixando seu ouvido preparado para receber o inglês, escrever e falar serão consequências disso.

Sobretudo, a melhor ferramenta para tal são os Podcasts em inglês. Recomendo especificamente os do ESL Podcasts.com. As falas são bem pausadas, claras e didáticas. Posso dizer que meu listening melhorou 100% ouvindo os Podcasts desse site.

O site frequentemente publica novos Podcasts, e muitos dos assuntos discutidos neles são interessantes.

Na época em que estava estudando, eu passava praticamente o dia todo ouvindo esses Podcasts. Seja quando estava indo para o trabalho, para a faculdade, para qualquer outro lugar, e até mesmo quando ia dormir (aliás, faço isso até hoje).

Contudo, ainda há os noticiários gringos. Procure assistir jornais estrangeiros, como CNN, FOX 8, Discovery Channel, e etc. Embora eles utilizem um vocabulário mais técnico e formal, é sempre uma boa ideia tentar se familiarizar com os termos aplicados nesses noticiários.

Outra dica importante é assistir modelos de entrevistas de emprego em inglês no Youtube. Pesquise por Job Interview English, por exemplo.

Porém, um adendo: ouvir por ouvir não gera resultado. Ouça e faça um esforço para distinguir o que está sendo dito, obviamente, respeitando o seu nível de aprendizado. Não adianta ouvir ou ler algo muito avançado se você não atingiu um nível específico para isso ainda. Entender somente 30% de alguma coisa, é desperdiçar 70% do seu precioso tempo. Portanto, estude materiais de acordo com seu nível de conhecimento que a melhora virá de maneira mais eficaz.

Com o tempo seu ouvido vai se acostumando com a língua, e a compreensão ficará cada vez mais nítida.


O MELHOR SOTAQUE


Vocês já passaram pela experiência de assistir/ouvir alguma coisa e entender bem, depois assistir/ouvir uma outra coisa e não entender absolutamente nada? Pois é... isso acontece com todos e, embora frustrante, é perfeitamente normal.

Assim como o Brasil possui sotaques e gírias distintos em cada região, com o inglês não é diferente. E isso, para nós aprendizes do idioma, é um caos total!

Austrália, Canadá, Inglaterra, Irlanda, Suiça, Nova Zelândia, Escócia, Estados Unidos, África, entre outros, são países que possuem algo em comum: o inglês. No entanto, os sotaques de cada um são diversificados. Pessoalmente, considero o inglês britânico (Inglaterra) mais claro.

Eu trabalhei com irlandeses, australianos e ingleses nos EUA. Entendia perfeitamente o que todos diziam, com exceção do australiano, que era um sotaque que eu apanhava um pouco para pegar. Todavia, não pense que isso confunde somente a nós que não dominamos o idioma, os próprios nativos têm dificuldades em entender os diferentes sotaques.

Lógico que tudo depende de adaptação. Mais cedo ou mais tarde você acostuma.

Portanto, recomendo veemente que você faça uma pesquisa antes de fazer um intercâmbio ou aprender o inglês (mesmo estando no Brasil). Dê uma olhada em vídeos de nativos de cada um desses países, e veja com qual sotaque você mais se identifica.


VOCÊ QUER isso?


Nada na vida é fácil, e tenho certeza que todos sabem disso. Mas quando não gostamos de fazer algo, a vida torna-se mais difícil ainda.

Antes de estudar o inglês, pense e repense se você quer realmente aprender um outro idioma, ou se é o inglês mesmo. Nos EUA conheci muitos colegas que odiavam inglês, e era totalmente visível a dificuldade que eles tinham em desenvolver melhor o idioma. Ao mesmo tempo em que uma parte de cada um estava lutando para aprender, a outra lutava para desistir. E isso não é bom!

Quando você gosta do que faz, tudo acontece precocemente e sem você perceber. Pode ser exaustivo e aos trancos e barrancos, mas será mais rápido. Do contrário, parece que durará uma eternidade!

Portanto, pare e pense se você está disposto a aprender isso de fato. Pergunte-se: quero aprender inglês pra quê? Motivos profissionais, curiosidade, educação, obrigação ou aprender por aprender? Ter ciência disso é essencial.

E, sim, antes que me perguntem, é verdade. Quando estamos em outro país aprendemos muito mais rápido e melhor. Mas não pense que o inglês vai brotar em sua boca do nada. Mesmo em contato com os nativos você terá de se dedicar bastante, até mesmo por questão de sobrevivência.


FERRAMENTAS ÚTEIS


Deixo abaixo as ferramentas que darão um empurrão em seus estudos, além das dicas dissertadas acima. Algumas das ferramentas, as quais já existiam, me ajudaram muito na época.

Leitura
Talk English
English Experts (fórum para troca de ideias)
Live Mocha (uma espécie de rede social)
CNN Website
FOX8.tv (tem vídeos também)

Mídias
ESL Podcasts/English Café (níveis intermediário e avançado | os Learning Guides são pagos)
The Word Nerds (nível avançado)
The Flatmates (nível iniciante)
Youtube (explore bastante o YT)
EngVid (excelente site com vídeo-aulas de professores nativos do ingles. Fantástica indicação dada pela querida amiga Sayuri)


Livros (todos acompanham CD com áudio)
Como Entender o Inglês Falado
English Pronunciation In Use
Headway Pronunciation
Os 7 Trunfos para Falar Inglês

Revista
Speak Up

TV
CNNi
FOX
Discovery Channel
... ou qualquer outro canal com conteúdo inglês


Simplesmente FALE


Fale certo ou fale errado, FALE!

Saber como pronunciar corretamente as palavras é algo importantíssimo. Não adianta só ficar ouvindo se as palavras não soam bem ou você "tropeça" muito na hora de falar. Claro que a compreensão deve ser prioridade, porém, as duas coisas devem andar juntas. Mas não pense que você vai sair falando como um nativo daqui a alguns dias. Isso leva tempo. Até sua boca acostumar, você vai engasgar bastante na hora de soltar uma frase completa.

Mas, quer saber? Não esquente a cabeça! Fale mesmo assim. Você está aprendendo. Não sinta-se intimidado(a). Sua fala só ficará melhor se você a treinar. Leia textos de inglês em voz alta, cante músicas prestando bastante atenção no modo como a música está sendo cantada, fale junto com o filme, enfim... FALE!

Não sabe como pronunciar uma palavra? Use o Tradutor do Google. Basta digitar a palavra no campo e clicar no botão truques para falar inglês fluente.


Convivência


Se surgir a oportunidade de fazer um intercâmbio ou até mesmo um passeio turístico que seja, faça! É uma experiência indescritível e inesquecível.

Parece mentira, mas você pode fazer 5 anos de cursinho de inglês e ainda assim não entender nada do que um nativo disser a você. Por outro lado, com 1 mês de convivência direta e intensa imersão com os nativos, você vai aprender muito mais do que 5 anos de cursinho.

Entretanto, mesmo que não tenha planos para ir para o exterior, faça amizade com algum nativo de lá ou um brasileiro que tenha inglês fluente. Uma simples conversa via MSN/Facebook pode fazer com que seu rendimento tenha efeito rápido.

Ressalto ainda que um diálogo cara a cara é diferente de um diálogo visto em TV ou no PC. É mais simples e satisfatório!


É possível aprender no Brasil


Se você não tem planos para ir para o exterior, ou tem planos futuros, não tem problema algum.

É possível alcançar o inglês avançado estando no Brasil tranquilamente. Porém, claro, será um processo mais lento. Você não estará em contato direto com nativos do inglês, o que irá desacelerar um pouco o aprendizado. Entretanto, seu esforço e dedicação deverão redobrar.

Procure estar sempre exercitando seu ouvido e fala. Pratique até mesmo nos tempos vagos. Ouça músicas, veja vídeos (com e sem legenda), leia bastante, pesquise bastante, fale consigo mesmo(a) em voz alta para ir acostumando seu vocabulário, troque informações, e lembre-se, ouça, ouça e ouça mais do que tudo...

Arranje um lugar para o inglês em sua vida. É importante não deixar esse contato com o idioma diminuir em hipótese alguma.

Faça isso, e em breve você terá resultados satisfatórios e sem muita dor de cabeça.


Evite brazucas


NOTA: Essa é uma dica para quem fará intercãmbio em breve ou já está lá.

Durante um intercâmbio, procure evitar realizar contato com brasileiros. Pelo simples fato de ser sua língua-mãe, você pode desandar e perder o foco no inglês.

Aparentemente muitos vão discordar e achar besteira isso! Mas só quem está lá, ou já esteve, sabe do que estou falando. Nós somos fracos para isso. Quando houver situações complicadas, em que o inglês não vier à cabeça (ansiedade e medo causam isso), você vai querer falar em português.

Com isso seu esforço será em vão, afinal, são através dessas dificuldades que você aprenderá.

Se você mora, ou for morar com algum brasileiro, sugiro que façam um pacto para comunicarem-se apenas em inglês. Tem muitos brasileiros no exterior que dependem de outros brasileiros que lá estão. E isso é péssimo.

Faça bastante amizades estrangeiras, saia para a rua e observe as pessoas conversando, leia os cartazes, outdoors, peça informações (mesmo errando), faça mímica se for preciso... mas faça valer seu aprendizado, não tenha medo jamais. Tente, erre, aprenda, erre novamente, aprenda novamente. Mas evite a língua portuguesa ao máximo.

Não tenha medo do intercâmbio. Conheci muitas pessoas que foram para lá com inglês básico, e hoje falam até melhor que certos nativos.


Conclusão


Volto a frisar: pratique inglês todos os dias. Principalmente, ouça inglês todos os dias, seja através de um iPod, iPhone, MP4, etc. Dedique-se de verdade. Não é impossível e, segundo estudos comprovados, todo ser humano está capacitado a aprender outro idioma, mesmo sozinho (autodidata). Mas, claro, requer paciência e muito esforço! Só depende de você!

Espero que o artigo tenha sido útil.
Bons estudos e boa sorte !!!

Still have questions or have any other tips?
Please, leave a comment.

Take care, folks!
Hugs

96 comentários:

  1. Não sei se vou precisar disso tão cedo mas gostei muito, grande post aliás mais um grande post, parabéns Marcelo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, caca!
      De qualquer forma, se um dia precisar e ainda tiver dúvidas, não hesite em dizer.

      Grande abraço

      Excluir
  2. Marcelão, tu é vidente cara?? Pq era exatamente disso que eu precisava meu irmão, hahahaha.

    Coincidentemente vou para o Canadá (Vancouver) em março do ano que vem, no dia 14/03/13. Ficarei lá por 4 meses pq eu honestamente fiquei com receio de ficar mais tempo e não conseguir exatamente me adaptar aos costumes e culturas do povo lá.

    Mano, meu inglês é um pouco mais que o básico. Consigo entender certos filmes, mas a maioria tenho dificuldades. Então se me permite meu camarada, gostaria de explorar vc um pouquinho, tudo bem??

    1º) Com quanto tempo nós conseguimos falar e entender legal o inglês estando lá?
    2º) Quanto a questão financeira, se meu inglês é básico conseguirei arranjar um trampo lá ainda assim?? ou que renda um salario legalzinho??
    3º) Eu vou morar com uma familia lá, vc morou assim também lá nos states??

    Se puder responder agradeço parceiro.

    Seu post é maravilhoso, realmente fiquei super feliz e entusiasmado em le-lo.

    Até mais.
    Atenciosamente,
    Juliano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Juliano,

      Quem me dera ser vidente viu rapaz, rsrs. Amigo, pergunte o quanto quiser. Estou à disposição.

      Vancouver é muito legal. Vai gostar de lá. Bom, então vamos às dúvidas.

      1º) Isso é relativo, amigo. Depende somente de ti. Tem gente que fica com inglês avançado em 6 meses, outros em 4, outros em 1 ano, enfim... não posso afirmar nada. Só posso dizer que, se você se dedicar de verdade, explorar bem esses 4 meses que ficará lá, poderá sim voltar com o inglês muito bom. Fluência mesmo, na minha opinião, só é possível ganhar com 1 ano e meio/2 anos ou até mais no exterior.

      2º) Tudo funciona da seguinte maneira: quanto melhor seu inglês = melhor o emprego que arrumará = melhor salário. Quando você vai com inglês básico, é difícil arranjar um emprego em áreas que exigem contato com outras pessoas. Mas, sim, correndo atrás você consegue arranjar um emprego legal, mas não digo que o salário será ótimo. Você terá de correr atrás, pesquisar bastante. Mas sempre com os pés no chão -- sem extravasar.

      3º) Eu não morei com uma host family (casa de família). Eu, no primeiro ano, dividi apartamento com um espanhol e um francês. No próximo ano, como meu inglês já estava bem melhor, consegui um emprego melhor e consegui bancar um apartamento sozinho, perto de onde eu trabalhava. Gastava no aluguel, porém, economizava no transporte e em comida, pois almoçava em casa mesmo.

      Juliano, quero deixar claro que a vida no exterior não é como em filmes -- um mar de rosas. Você encontrará dificuldades, resistências e deverá ter um controle até mesmo emocional (psicológico) por estar longe da família e amigos. No entanto, ao mesmo tempo é uma experiências incrível que você carregará para o resto da vida e também muito divertido.

      Portanto, volto a repetir: tudo depende de você, da sua dedicação e força de vontade. O resto você tira de letra!

      Boa sorte desde já, Juliano. Um ótimo intercâmbio para você.
      Não se esqueça de comentar quando estiver por lá, por favor. :)

      Grande abraço

      Excluir
  3. Oportuno post.

    Há cerca de um mês, comecei fazer um curso de inglês (desses que duram um ano, meio intensivão) em que a ênfase é na mnemônica e na conversação (inclua aí vocabulário e frases afirmativas, negativas e interrogativas).

    Claro que há pitadas de gramática nas lições, mas são só noções básicas (tempos verbais e estrutura das frases, por exemplo).

    Apesar de eu considerar a metodologia do meu curso muito boa, as dicas dadas aqui podem ajudar a complementar o meu aprendizado (que no meu caso, será por aqui mesmo - não pretendo viajar).

    Aproveito para perguntar: o que você acha de sites como o busuu (www.busuu.com/pt)? Eles podem ajudar também?


    Um abraço e parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá André, obrigado pelo comentário!

      Eu cheguei a fazer curso de inglês voltado a intercâmbio antes de decidir se eu realmente ia fazer intercâmbio. O professor entrava na sala falando inglês (detalhe: pausado e básico), dava aula em inglês e saia falando em inglês. Porém, para mim, isso não ajudou em absolutamente nada lá nos EUA. Estudar sozinho me levou a ter um conhecimento muito mais rápido e aguçado. Mas cada pessoa reage de um jeito.

      Veja bem, não é preciso viajar para o exterior para ter o inglês avançado. Mesmo no Brasil, tendo dedicação e força de vontade (afinal aqui temos mais contato com o português que com o inglês, e essa é a desvantagem daqui) você pode deixar seu inglês afiado.

      Quanto ao Bususu, trata-se de uma comunidade similar ao Live Mocha (recomendado no artigo). Eles podem ajudar sim, principalmente porque, às vezes, há estrangeiros ou brasileiros que vivem fora participando da comunidade. Então, interagir com essas pessoas é a melhor coisa do mundo! Trocar informações com quem tem conhecimento superior ao nosso, é um aprendizado extremamente importante.

      Qualquer outra dúvida, é só dizer amigo.
      Abraços e good luck!

      Excluir
  4. Marcelooooooooooooooo, que post lindooo querido, ihihihi!! Tudo bem?
    Poxa mto bom mesmo seu post, explicado tim tim por tim com ferramentas para nos ajudar mais ainda. Mto obrigada mesmo.

    Olha só....eu moooorro de medo de ir pra um intercambio =\. Nossa meu inglês é péssimo e tenho medo e até vergonha de não conseguir acompanhar o raciocinio dos nativos, e ainda por cima eles me zuarem kkkkkkkk.

    Alguma dica pra isso? oO

    Beijukss e parabens mesmo pelo artigo. Super compartilhado em meu FACE =)

    Mary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mary, tudo bem e você?

      Mary, medo e ansiedade, todos temos! Muitos entram em pânico quando chegam na alfândega já, onde eles fazem rápidas perguntas para estrangeiros. Se você não sabe inglês muito bem, eles perguntam em espanhol. Mas são perguntas bem básicas (exemplo: O que veio fazer nos EUA?). Porém, a experiência já começa ali.

      Agora, encare esse medo. Por mais que seja difícil, tenha calma e não esquente por não saber inglês. Pode ter certeza que lá será tudo mais simples e rápido. Os nativos são pacientes e compreensivos com quem não domina o idioma deles. O inglês você aprenderá lá de qualquer jeito. Portanto, é questão de tempo!

      As melhores dicas que eu posso lhe dar são: Pesquise sobre o país e suas culturas antes de ir para lá; Converse com pessoas que estão lá; Saiba como funciona a vida lá, desde o desembarque no país até o método de vida; E o principal: Calma e tranquilidade, pois você vai tirar de letra! Todos tiram.

      Abraços e obrigada por compartilhar o artigo.

      Excluir
  5. Como diz naquele comercial de chocolate que passa na Globo-bo, Esplendinifico (esplendido + magnifico). Ótimo post man.

    Eu penso em fazer intercambio futuramente. Os USA é bom ou sugere um outro pais para essa finalidade?

    Valeu
    Forte abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos,

      Eu não fui para tantos países assim. Tive o prazer de conhecer apenas os EUA, Canadá, Inglaterra e Austrália. Os EUA é ótimo, porém, é o país com maior burocracia quando se trata de intercâmbio. Você tem que comprovar renda e outras coisas chatas.

      A Austrália é maravilhosa também. Emprego fácil, calor praticamente o ano inteiro, mas custo de vida alto. A Inglaterra e o Canadá são, na minha humilde opinião, os países com o inglês mais claro e fácil de compreender. Mas o custo de vida é salgado e para arrumar emprego é um pouco difícil.

      A Irlanda (que eu nunca fui), assim como a Inglaterra, era o país que mais recebia intercambistas. No entanto, hoje com a crise européia, muitos estão abandonando a Irlanda por estar extremamente difícil arranjar emprego e bancar o custo de vida. Então não acho uma opção muito boa, especialmente para quem tem inglês básico e vai para o primeiro intercâmbio.

      Todavia, como você está pensando em ir futuramente, tudo pode mudar até lá. Portanto, não posso sugerir algo para o futuro pois não sei como estarão esses países daqui a alguns anos.

      Atualmente, recomendo bastante a Austrália e o Canadá.

      Grande abraço e obrigado pelo comentário!

      Excluir
  6. Olá Marcelo é muito bom ler experiências pessoais. Obrigado pela partilha de conhecimento.
    Gostaria que esclarecesses uma situação: No artigo relevas a tua estada nos EUA,onde o Americano/Inglês é diferente do England. Não duvido que o saibas.Mas agora esclarece,qual deve de ser o melhor Inglês para aprender, o Americano ou o England? Porque quando se aprende é o tradicional Inglês.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antonio,

      Obrigado pelo comentário e pela visita.

      Particularmente, aconselho muito mais o inglês britânico (England), que é o inglês tipicamente ensinado no Brasil. Há diferenças entre o americano e o britânico. Nada muito radical. Algumas palavras, a pronúncia. Porém, sabendo um deles, você entende o outro sem problemas.

      Contudo, o inglês britânico é bem mais claro e formal, o que facilita uma compreensão melhor e correta. Os britânicos são super corretos em suas falas e culturas. E isso conta muito na hora de aprender e conversar com eles.

      O inglês americano é mais despojado, mais informal. Os americanos usam gírias demais, cortam frases (ignorando certas palavras), e ainda têm o costume de pronunciar as coisas de um modo mais liberal -- sem preocuparem-se especificamente com a pronúncia correta. Este fator prejudica bastante quem está aprendendo a língua. Mas, claro, não vou generalizar. Muitos americanos pronunciam as coisas até melhor que os britânicos.

      Eu decidi ir para os EUA pois, no meu caso, foi mais simples e, por incrível que pareça, o custo foi menor. Minha intenção na época era Vancouver ou Londres. No entanto, me apaixonei por Nova York, rsrs.

      Espero ter esclarecido e qualquer outra dúvida é só perguntar, Antonio.

      Grande abraço!

      Excluir
  7. Nossa,Marcelo! Maravilhoso esse post!! Bem dinâmico, de fácil compreensão, explicativo. Se superou, de verdade. Adorei!

    Mesmo sem 'precisar' da língua inglesa agora, pois a área que atuo atualmente não me exige este quesito, há uns anos tenho o interesse em aprender inglês fluentemente. A maioria dos cursinhos prometem, mas dificilmente algum consegue essa proeza. É gramática atrás de gramática. Um verdadeiro porre!

    Sei algumas coisas e até consigo compreender bastante desse idioma, mas tudo por vontade minha mesmo, com base no que aprendia na escola e por assistir filmes legendados, ouvir músicas americanas que gostava e tentar traduzir 'de ouvido', passando a minha letra pro papel. Nossa! Cansei de fazer isso na adolescência e me achava uma louca! rsrs Nunca fiz cursos.
    Hoje em dia fui forçada a deixar isso de lado, devido ao corre corre do trabalho e da faculdade. Mas seu post me incentivou a continuar, mesmo que por conta própria, tentar falar fluentemente o inglês, pois sei que futuramente posso precisar dele.
    Adorei as ferramentas e sites que disponibilizou e dividiu conosco. Já dei uma olhada e parecem ótimas. O único site que eu conhecia era o Live Mocha, que, por sinal, é bom demais.
    Enfim, Marcelo. Quero te parabenizar por seu trabalho mais uma vez, pela dedicação e empenho em partilhar com os leigos o que sabe. O Seu Tutorial está entre os meus sites favoritos, passo aqui todos os dias pra verificar se tem novidade, ou até mesmo pra tirar qualquer dúvida. Já ajudei muita gente com as suas dicas e sinto que devo agradecer por isso. Indico pra todos que conheço e desejo que vocês consigam crescer cada vez mais, porque merecem muito.
    Agora deixa eu ir que já falei demais. rs
    Parabéns pelo post novamente e pelo excelente trabalho,como sempre.

    Beijos, Thamyres Andrade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thamyres,

      É sempre um prazer recebê-la aqui. Comente o quanto quiser, escreva o quanto quiser, tire as dúvidas que quiser. Para mim é uma felicidade total!

      Fico realmente contente que o artigo tenha incentivado você a dar prosseguimento no inglês. Eu aprendi sozinho, pois os cursos que tentei fazer não me ajudaram em absolutamente nada. Para ser honesto, apenas gastei dinheiro desnecessariamente.

      Minha intenção era exatamente mostrar que é possível aprendermos o inglês sozinhos. Sem qualquer curso, sem qualquer custo financeiro. Também quis dizer através do artigo que qualquer dúvida que tenham a respeito disso, não hesitem em me dizer. Desde que voltei do exterior, tenho um prazer imenso de compartilhar essa experiência e incentivar a todos. O inglês não é difícil, acredite. O começo que é um pouco chato porque não temos o costume de falar frequentemente esse idioma. Mas depois que pega no tranco, só tende a nos deixar mais satisfeitos.

      Enfim, qualquer coisa estamos aí, Thamyres.
      Boa sorte e um ótimo restinho de semana.

      Grande abraço e obrigada pelo comentário!

      Excluir
  8. Oi Marcelo, meu nome é Luara e desde 2011 tenho muita vontade de fazer um intercâmbio. Meu sonho era os States também, mas como vc realmente citou em um comentário anterior é uma burocracia que só.

    Bom meu inglês pode ser dado como meio-intermediário (se é que isso existe kkkk) e sou vidrada em inglês, sou completamente apaixonada por essa língua. Meu sonho é poder assistir um seriado completo (principalmente se for Supernatural =) ) sem legenda até o fim.

    O que eu queria saber é o seguinte....

    Se eu fechar um intercãmbio de 4 meses poderei prolongar minha estadia se eu quiser?? Outra dúvida....
    Com inglês meio-intermediário eu passaria aperto ainda?? pq eu até consigo falar e escrever bem!!! mais entender o inglês rápido que eu creio que seja o normal pra eles que é o problema!!!

    Obrigada desde já e parabéns pelo maravilhoso post.

    PS: vc escreve e explica muito bem =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luara,

      Obrigado pelo comentário!

      Pois é, intercâmbio nos EUA é mais burocrático que nos demais países. Eu consegui com muito custo, tive que me revirar aqui!

      Bem, vamos então discutir suas dúvidas.

      1 - Sim, você pode prolongar seu período de intercâmbio, se achar conveniente. Contanto que você solicite isso com 2 ou 3 meses de antecedência, pois na véspera da expiração do seu visto é praticamente impossível eles aceitarem.
      A princípio, quando fui pela primeira vez, meu visto era de 1 ano. Com 3 meses de antecedência consegui renová-lo por mais 1 ano, e depois por mais 1 ano. Dando um total de 3 anos consecutivos.

      2 - Eu fui com inglês intermediário para lá, e posso dizer que não passei tanto sufoco. Porém, o meu caso era totalmente o oposto do seu: eu compreendia muito bem, mas minha pronúncia e escrita eram fracas. Mas não esquente, já é meio caminho andado. Se você vai com nível intermediário, chegar ao avançado é questão de poucas semanas. Lógico, levando em consideração que você irá se dedicar para alcançar tal nível.

      Grande abraço e boa sorte!

      Excluir
  9. Marcelo
    Seja sincero, você com sua experiência nesse quesito, recomenda o intercâmbio mesmo com inglês básico? Seja para qual país for.

    Agradecido pelo ótimo artigo.
    Cordialmente,
    Ruan Aristides

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ruan,

      Obrigado pelo comentário!

      Serei franco e direto. Não, não recomendo intercâmbio com inglês básico. Muitas pessoas, antes de fazer intercâmbio, criam expectativas irreais em relação ao próprio aprendizado. Muitos vão para o exterior achando que "pegarão o inglês no ar", sem muito esforço, apenas em contato com nativos. E isso é fruto de uma imaginação surreal.

      Lá, com dedicação, o aprendizado será mais forte e rápido? Sim, será. Mas, como mencionei no post mesmo, o inglês não irá brotar em sua mente do nada.

      Abraços e ótimo final de semana!

      Excluir
  10. Obrigado professor kk, eu faço curso de inglês. O meu sonho é fazer minha faculdade em Nova York. O ruim do inglês é que as vezes temos 2 palavras com o mesmo significado e se nao colocar a frase correta fica erradíssimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas se for olhar por esse lado, Felipe, a língua portuguesa é ainda pior que a inglesa. Porque também há palavras com dois ou três significados. E mais ainda. Há palavras portuguesas que, se você mudar uma só letra, todo o significado se modifica.

      Um exemplo clássico é a palavra "manga". Ela pode ter duas interpretações, dependendo do contexto que é inserida. E se a letra "G" for trocada pela letra "C" aí é que a confusão é total! rs

      Mas, dificuldades idiomáticas à parte, devemos seguir as orientações desse tutorial, que é de nos empenharmos sempre, seja na aprendizagem do que for.

      Abraços..

      Excluir
    2. Olá Felipe e Thamyres,

      Desculpe, mas só consegui responder hoje.

      Concordo plenamente com a Thamyres, Felipe. Uma palavra com significados diferentes é normal em todos os países do mundo. Se você for pesquisar a respeito sobre a língua francesa e alemã, verá que nesses países isso é ainda pior. Especialmente o alemão.

      Quanto a fazer faculdade em Nova York, Felipe, não desista desse sonho se é realmente o que quer.

      Abraços aos dois e ótima semana!

      Excluir
  11. Roberto Carvalho de Lopes8 de outubro de 2012 00:47

    WONDERFUL, WONDEFUL, WONDERFUL... clap, clap, clap (palmas hehehe).

    Cara, seu post é digno de um TOP 5 da net. Também já fiz intercâmbio para a Irlanda, onde fiquei meus 4 anos e meio passados. Experiência? Como vc mesmo citou companheiro, AMAZING.
    As dicas que vc deu são as mesmas que eu dou pra todo mundo que me pergunta. O listening é realmente algo extraordinário. Velho, quando a gente começa a entender um filme sem legenda, um jornal sem legenda... fala a verdade... fuck lover sensation, not is? É algo sobrenatural a nossa felicidade. Especialmente quando aprendemos o inglês em si.

    Enfim, podem confiar nessas dicas. 100% aprovadas e certeiras para ganhar fluência no maravilhoso idioma INGLÊS.

    Congratulations.
    See you around my friend.
    Cheers

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hi Roberto,

      Thanks a lot for the comment!

      Realmente, a sensação de entender o que está sendo dito em inglês, sem auxílio de um tradutor ou legenda, é um momento único. Nos incentiva a continuar o aprendizado. O começo é frustrante, de fato. Mas nunca devemos desistir. Foi isso que tentei passar no artigo, e que sempre passo aos meus alunos. NEVER GIVE UP!

      Valeu mais uma vez, Roberto.
      Cheers

      Excluir
  12. Quem acha que o Marcelo deve fazer tipo um 2º post e passar o msn dele pra que a galera do blog possa conversar com ele põe a mão aqui *\ kkkk
    Brinks Marcelo.

    O artigo ficou sensacional cara. Show de bola mesmo. Tirei o chapéu e já comecei a colocar em prática suas dicas.

    Só me tira uma dúvida mano, como sabemos em qual nivel estamos? Tipo avançado, intermediario ou basico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Obrigado pelo comentário!

      Resumidamente, nos níveis intermediário e avançado nós já conseguimos manter uma comunicação, escrita ou compreensão muito mais sólida. Especialmente no avançado, onde você já pode se aprofundar em qualquer assunto sem passar aperto. No nível básico você só consegue fazer coisas realmente básicas. Quem tem inglês básico precisa bastante do auxílio de tradutores e legendas, não consegue manter um diálogo e uma escrita ainda.

      Enfim, dê uma olhada no teste abaixo:
      http://guiadoestudante.abril.com.br/testes-vocacional/qual-meu-nivel-ingles-basico-intermediario-ou-avancado-645548.shtml

      Abraços

      Excluir
  13. Thank's, O Brasileiro aprender Inglês é mais fácil que um americano aprender o Português, neste momento estou escutando a música Eminem- Not Afraid e entendo quase nada kk, pretendo fazer faculdade de Ciência da Computação em New York , lá me parece bem mais desenvolvido que São Paulo, bem um dia estarei lá se Deus quiser.

    Tanks, Good Ninght

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é um pouco relativo, Felipe. Há alguns pontos interessantes nisso. Por exemplo: a nossa gramática é muito mais complexa que a deles. No entanto, na maioria dos casos, realmente um americano tem maior dificuldade em aprender nossa língua do que o contrário -- sem generalizar.

      Esse assunto até retém um fator interessante, pois muitos brasileiros acham que aprender inglês é impossível, logo, não se dão conta de que, tecnicamente, conseguimos aprender e falamos uma língua ainda mais complexa. Mas o fato é que qualquer idioma do mundo tem suas parcelas de complexidade particulares e únicas.

      Em relação a fazer faculdade fora do Brasil, eu ainda penso em fazer uma outra faculdade no exterior também. E com certeza, a área de tecnologia nos EUA é absurdamente superior a nossa. Durante meu intercâmbio, fiz um curso de 'technology and business', o que me ajuda muito profissionalmente.

      Abraços

      Excluir
  14. Olá, Marcelo.

    Tudo bem?

    Meu nome é Marcos e esse post foi muito oportuno para mim, pois estou me programando para, daqui há um ano, participar de um intercâmbio em um país de língua inglesa.

    Estou começando do zero e desenvolvendo minhas potencialidades como autodidata. Não acredito que um cursinho possa me dar a competência que a convivência com o idioma me dará.

    Minha dúvida é quanto ao intercâmbio. Dei uma olhada no site do EF - Education First, a que administra o curso Englishtown, e confesso que me encantei com a possibilidade de fazê-lo na Inglaterra, talvez em Cambridge.

    Eu tenho renda própria e gostaria de saber se com R$ 3.000,00 mensais líquidos terei condição de sobreviver na Inglaterra, durante a estada para estudos, sem grandes percalços.

    Outra questão é com relação ao EF, mencionado acima: vc teria outras sugestões mais viáveis, ou melhores, do que essa empresa de intercâmbio? Vc acha que posso confiar na estrutura que eles apresentam em seu site? As feiras de intercâmbio são boas opções para se tomar essa decisão?

    Eu teria um milhão de perguntas a fazer, mas todas só podem ser respondidas pela experiência própria.

    Grande abraço, muito grato pelas futuras respostas.

    Estou sem palavras para parabenizá-lo pelo magnífico texto, claro e objetivo.

    Não sei como agradecê-lo, também, pelo estímulo, incentivo, motivação e tudo o mais que vc me infundiu, dissipando qualquer dúvida quanto ao meu potencial e capacidade de conquistar esse sonho-projeto.

    Felicidades e muito sucesso em sua carreira.

    Cordialmente, Marcos Braga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos, tudo bem e contigo?

      Fico feliz em saber que gostou do artigo e, desde já, lhe desejo boa sorte e muito sucesso no intercâmbio.

      Antes de mencionarmos renda, acho que seria interessante que você pesquisasse sobre as leis da Europa que, se não me engano, mudaram recentemente. Não sei bem na Inglaterra, mas hoje eles pedem para comprovar 3 mil euros, além de seguro, a escola e a passagem de volta para o Brasil. Tudo isso é obrigatório. No entanto, acredite, compensa cada centavo gasto!

      Vamos falar de renda então. Amigo, R$ 3.000,00 mensais líquidos dá para você sobreviver tranquilamente na Inglaterra. Tem gente que vai para intercâmbio com bem menos que isso (eu, por exemplo, na época). Claro que você não vai poder extravasar. Mas pode ir tranquilo. Só aconselho fortemente que você dê uma pesquisada sobre a crise européia na Inglaterra, para ver se não poderá lhe prejudicar em algo. Várias pessoas estão abandonando a Irlanda por conta disso. Portanto, é bom pesquisar antes.

      Quanto ao EF, dizem que realmente é um curso excelente, especialmente pela possibilidade de os alunos terem contato direto com quem está no exterior. Porém, como salientei em outros comentários, não fiz curso. Sou autodidata também. Contudo, infelizmente não posso sugerir outras opções viáveis ou melhores, uma vez que eu desconheço a eficácia de outros. As feiras de intercâmbio são ótimas opções para nos basearmos, sim. Eu frequentei algumas antes de fazer o meu e gostei muito.

      Marcos, pesquise bastante sobre a questão de agências de intercâmbio. Este é um ponto muito importante. Veja o que cada agência lhe oferece, o custo de cada um, e tudo mais. Se tiver qualquer dúvida, por favor, não hesite em me dizer.

      Enfim, Marcos, fique à vontade para fazer um milhão de perguntas se quiser. A finalidade desse post é exatamente essa -- compartilhar experiências. Eu adoro isso e tenho muito prazer.

      Um grande abraço e tudo de bom, amigo!

      Excluir
    2. Olá, Marcelo.

      Não havia reparado que tem um espaço para resposta.

      Obrigado por sua gentil atenção.

      Assim que me organizar melhor, volto a fazer contato para conversarmos um pouco sobre meu projeto e como sua experiência pode me ajudar. Se, por acaso, eu estiver ocupando demasiadamente seu tempo, queira honestamete me dizer. Não irá me constranger.

      Até um próximo post.

      Grande abraço.

      Marcos Braga

      Excluir
    3. Opa Marcos, agradeço o feedback!

      Amigo, não está me ocupando tempo algum. Estou aqui para isso. Sinta-se sempre a vontade para perguntar. A casa é sua!

      Abração e volte sempre.

      Excluir
  15. Artigo sensacional cara! Meus parabéns de verdade.
    Me chamo Alex e dia 22 de novembro (quinta feira) estou embarcando para um intercâmbio de 3 meses no Canadá. Confesso que estou ansioso, apreensivo e com MUIIITO medo! Sei lá chegar num país que eu desconheço a cultura e não falo o idioma 100% dá um desespero. Acho que no próprio aeroporto lá eu já vou tremer só em ter que ler aquelas placas, pegar um taxi, conversar com a família que eu vou ficar e tal.

    Algum conselho para tentar me acalmar a não ser tranquilizantes rsrsrs?

    Valeu!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Alex,

      Obrigado pelo comentário!

      Olha amigo, acredite, nessa hora nenhum conselho é o suficiente para nos acalmar. Apreensão, medo e ansiedade são os infelizes fatores de quem está prestes a se aventurar em uma cultura e idioma diferentes. 99% dos estudantes de intercâmbio passam por isso, não é só com você.

      Para tentar aliviar um pouco seu nervosismo, vou explicar algumas coisas. Chegando ao aeroporto de lá, há vários balcões de ajuda (help desk) onde os atendentes são treinados para auxiliar estrangeiros (você pode solicitar a eles que falem em espanhol contigo). Pegar táxi é simples, basta anotar o endereço da residência onde ficará hospedado e passar ao taxista. Não há segredo!

      Quanto à sua host family (casa de família), onde será hóspede, é tudo muito tranquilo. A família é acostumada a lidar com intercambistas. Eles falam claramente e bem devagar para que você compreenda, além do mais, eles sempre perguntam se está entendendo. A família será sua base lá. A convivência íntegra com eles, fará com que você aprenda e desenvolva melhor o idioma, para que assim, você possa desenrolar uma comunicação contínua com outras pessoas.

      Enfim, Alex, tenha calma embora seja difícil. Se não me engano, algumas agências de intercâmbio oferecem opções de assistência pessoal na ida para o exterior, onde eles enviam um agente de viagens que domina o idioma junto com você. Procure saber a respeito disso na agência que você contratou -- caso tenha sido uma agência mesmo.

      Abraços e boa sorte em seu intercâmbio!
      Tudo de bom!

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta completa e rápida. O incrivel é que lendo o que vc escreveu me deixou um pouquinho mais calmo. Mas acho que não tem como nos tranquilizarmos 100% como vc disse.
      Eu não sabia dessa da agência enviar agentes com a gente. Eu contratei uma agência sim. Achei o preço bem acessivel ao meu bolso.

      E cara, outra duvida cruel. E as malas? Tipo eu to querendo levar quase o guarda-roupa inteiro, sem contar meus outros objetos pessoais sem sem roupa, sapatos e tal. Eu sei que essa questão é pessoal, mas como vc já viveu num outro país e teve que decidir isso acho que vc pode me dar uma luz qualquer.

      Valeu mesmo hein!! seu artigo está sendo muito útil pra mim.

      Excluir
    3. Alex, como você mesmo disse, a questão da bagagem é realmente muito pessoal.

      Quando eu fui, evitei levar muitas malas já pensando na volta. Pois a gente vai com 2 malas, e volta com 10. Você vai comprar muita coisa lá, afinal, é tudo muito barato, especialmente roupas e aparelhos eletrônicos. O problema não é o número de malas, é o excesso de peso na hora do embarque. Se exceder o limite, que se não me engano ainda é de 25 kg, você terá de pagar uma taxa a mais (e não é muito barata).

      O que você pode fazer também é ir despachando as malas para o Brasil por navio. Assim evita que você tenha de voltar com aquela quantidade infinita de bagagens.

      Como eu fiquei 3 anos consecutivos nos EUA, meus pertences exigiam mais de 10 malas. Todo ano eu despachava as coisas mais pesadas por navio, e isso aliviou bastante meu retorno.

      Abraços

      Excluir
  16. Oi Marcelo, boa noite, tudo bem? Olha, meus infinitos parabéns pelo artigo excepcional. Simplesmente fantástica sua iniciativa e seus conhecimentos, além de sua boa vontade em compartilhar com monolíngues como eu =)

    Estou seguindo a risca seu post e está tudo muito mais claro para mim. Além do post li todos os comentários aqui que me ajudaram mais ainda.

    Mas tenho uma dúvida que não foi publicada nos comentários, e acho que muitos também a tem. Tem como fazer uma faculdade no intercâmbio? Tem uma amiga de uma amiga que mora em Berlim há 5 anos e disse que nunca conseguiu fazer uma facul lá. E como pretendo fazer intercãmbio futuramente, gostaria de um auxílio de quem já vivenciou 3 anos no exterior como vc.

    Obrigada desde já e mais uma vez parabéns querido.
    Carol ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carolina, tudo bem e você? Agradeço seu comentário!

      Bom, Carol, não entendo o porquê de sua amiga não ter conseguido ingressar numa universidade/faculdade na Alemanha. Até porque desconheço as leis por lá também. Mas é possível fazer um curso superior no exterior, sim. Inclusive, farei meu Mestrado em Londres ano que vem. Claro que existe uma série de fatores e leis a serem seguidas para que esse processo seja realizado.

      Não sei se você sabe, mas no exterior não existe Vestibular, como no Brasil. Lá o que conta é seu histórico escolar do ensino fundamental e médio, além de uma série de documentos que você deverá reunir, no conjunto, apresentarão seu perfil completo à universidade, e serão capazes de mostrar se você é o tipo de candidato que aquela instituição pretende ter como aluno. Resumindo, é preciso ter um bom histórico escolar e domínio do idioma utilizado nas aulas da universidade escolhida. Atividades como trabalho voluntário e cursos extra-curriculares também aumentam suas chances.

      Abaixo deixo a você alguns exemplos dos requisitos obrigatórios.

      1) Você já deve ter o inglês fluente;
      2) Histórico escolar excelente e traduzido (deve ser uma tradução juramentada, então você deve procurar um tradutor ‘oficial’, com licença para emitir este tipo de documento);
      3) Cartas de recomendação (podem ser de professores, chefes ou outras pessoas capazes de falar sobre o seu trabalho);
      4) Carta de apresentação explicando um pouco da sua história e por que você decidiu fazer aquela universidade;
      5) Currículo e portfólio;
      6) Resultados de exames obrigatórios;

      Esses são alguns, tem vários outros. É importante lembrar que você também deve escolher detalhadamente e com calma o país e a universidade que deseja. Outro detalhe: pesquise pelos cursos Foundation, que são cursos preparatórios muito mais completos que os cursinhos do Brasil, pois permitem que o estudante se prepare para a vida acadêmica no exterior.

      Todavia, algumas universidades brasileiras têm parceria com universidades no exterior, o que facilita e agiliza esse processo.

      Abraços e boa sorte!

      Excluir
    2. Nossa Marcelo obrigadissima pela resposta completa =))

      Tirou varias duvidas, incluindo a de que não existe vertbular lá, menino que MARAAA kkkkkk. Meu sonho é fazer Direito sabe. Vou fazer ENEM esse ano, mas o meu sonho de verdade é estudar no exterior. Tenho 20 anos.

      E me diz uma coisa, será que é muito complicado? imagino que deve ser suuuper dificil conseguir uma vaga nas facul do exterior. Mas digamos que meu histórico é até bom modéstia parte rsrsrsrs.

      Obrigada de novo e boa sorte com seu super mestrado em Londres hihihi, tudo de bom mesmo.

      Beijão

      Excluir
    3. Valeu, Carol! Agradeço a força.

      Bem, ser aceita numa universidade do exterior é algo muito relativo. Além de sorte, vai depender muito da rigorosidade da universidade escolhida.

      Algumas universidades são mais concorridas do que as outras – Harvard, Oxford e Yale, nos EUA, exigem média acima de 90% em todas as matérias, por exemplo – mas no geral, alunos com um histórico de médias acima de 60% ou 70% já garantem chances concretas de ingressar em universidades no exterior.

      Enfim, Carol, se esse é o seu sonho, corra atrás. Você ainda é bem jovem. Conheço vários brasileiros que fazem universidade nos EUA, alguns inclusive conseguiram até bolsa de estudo.

      Calma e muito sucesso para você, Carol.
      Abraços

      Excluir
  17. Ola Marcelo, td bem?
    Parabens pelo seu Blog, tenho certeza que esta ajudando muita gente, inclusive eu. Estou nos USA ha quase 5 meses. Estou aqui pela terceira vez. Nunca fui a uma escola de Ingles, aprendi nos chats, teclando com as pessoas. Gostaria de ir para o Canada. O visto para trabalho la eh muito complicado? Tem como eu ir como estudante e depois arrumar emprego...como ficaria o visto? isto eh possivel? Meu Ingles esta evoluindo, pois o unico contato que tenho com o Portugues eh pelo computador...Eh bem como vc disse, na hora do aperto, se vc tiver opcao, vc acaba falando Portugues...
    Se vc puder me dar umas dicas...
    Agradeco desde ja a atencao.

    Abracos,

    sayuri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sayuri,

      Obrigado pelo comentário. Legal que está nos EUA. Desde já lhe desejo tudo de bom e boa sorte por aí!

      Bem, não sei muito bem como funciona o visto para trabalho no Canadá. Que eu saiba, normalmente, as pessoas que pretendem trabalhar temporariamente no Canadá necessitam de uma confirmação da proposta de emprego emitida pelo Ministério do Trabalho canadense que emitirá a confirmação uma vez que for estabelecido que cidadãos canadenses ou residentes permanentes qualificados não estão disponíveis para preencher a vaga.

      Você não conhece nenhum canadense nos EUA? Quando eu morava aí conhecia mais canadense do que americano até, rsrs.

      Abração

      Excluir
  18. Oi Marcelo,

    Obrigada por responder. Eu conheci uma pessoa do Canada sim, mas leigo no assunto...rs. Mas vou procurar.Obrigada pela informacao.
    Eu tenho muita dificuldade no ingles quando se usa o verbo combinado com :on, out, in, off, ...principalmente quando preciso do verbo GET... esse GET me deixa maluca!!! Ja falei muita bobeira em Ingles por aqui, algumas que me deixaram "vermelha" tb..rs. E o engracado eh que sao esses que a gente nao esquece mais. rs. Voce me deu uma ideia legal! usar as frases prontas... tentar memorizar a maneira de usa-las em dadas situacoes. Estou estudando. Chego la!

    Muito sucesso para vc tb!!
    Abracos.
    S.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sayuri,

      Tenho alguns amigos daqui que moraram no Canadá, perguntarei a eles e, se ainda tiver interesse, poderei informá-la melhor. Claro que, como está aí, acredito que seria mais simples reter tal informação. Se quiser enviar seu contato para mim via formulário de contato do blog, fique a vontade.

      Quanto ao inglês, calma! É assim mesmo. Também já falei muita besteira quando estive aí, fiquei constrangido, frustrado e tudo mais. Hoje eu dou boas risadas, rs. Referente ao uso correto dos verbos, vai por mim, se você não faz literatura ou trabalha com textos, esqueça as regras. Pois sempre que houver situações em que for preciso empregá-las, você ficará pensando nas regras, consequentemente irá demorar para responder. Guarde as frases que utilizam tais verbos, será muito mais prático e fácil.

      Porém, se realmente estiver interessada em aprender a utilizar esses verbos teoricamente, é só dizer. Terei enorme prazer em ajudá-la. Se precisar, pode me contactar via formulário mesmo.

      Abração e tudo de bom para você.
      Take care!

      Excluir
    2. Hi Marcelo,

      Muito obrigada pelas informacoes e por sempre estar pronto para ajudar-nos.
      Estou aprendendo a usar as frases prontas e agora a conversacao esta fluindo bem melhor. Super dica! valew! Muito obrigada!!!
      Um abraco e tudo de bom pra vc tb.
      Take care.

      Excluir
    3. Hello Sayuri,

      You're welcome! Whenever you need, I'll be here.
      Fico feliz que as dicas estejam ajudando.

      Tudo de bom e manda um abraço para nossos amigos americanos :)
      Take care
      Hugs

      Excluir
  19. Bem legais suas dicas, Marcelo! Já utilizei o Live Mocha e me ajudou bastante a soltar o inglês. É legal que dá para marcar de conversar pelo Skype e realmente ajuda na fluência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá P.A.,

      Obrigado pelo comentário.

      Já usei bastante o Live Mocha também, na época em que eu estava estudando. Tenho muitos amigos feitos por lá. É realmente uma excelente rede social para esta finalidade.

      Grande abraço

      Excluir
  20. Essa dica de decorar frases ao inves de palavras é fantástica msm. Eu sempre ficava decorando palavra por palavra e quando lia um texto em ingles com as palavras que eu tinha estudado era outra coisa.

    Tipo once upon a time significa era uma vez. Se a gente fosse traduzir isso com palavras ficaria was a time que é totalmente errado.

    Gostei muito do artigo cara.
    Vivendo e aprendendo =) melhor ainda quando a passa manja do baguio :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Narcisio,

      Pois é, estudar frases e expressões completas é melhor e mais efetivo. A palavra tem um significado quando sozinha, mas uma vez essa mesma palavra inserida em uma frase com outras palavras, por exemplo, pode formar um significado totalmente inesperado.

      Claro que saber o significado das palavras é algo muito importante. Mas aprender as frases é um método muito mais completo -- believe me, it works like a charm ;)

      Abraços

      Excluir
  21. Ótimas dicas Marcelo. Obrigado por dividir seu conhecimento conosco.

    Eu sempre me pergunto... games em inglês ajudam? Pq sou um gamer viciado e sempre pego muitas coisas dos games que eu costumo jogar. Pode-se tirar proveito realmente educativo nisso?

    Desde já agradeço a resposta do colega.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raul,

      Com certeza ajudam, e muito. Aliás, não só isso. Deixar os programas do PC em inglês, colocar o sistema operacional em inglês, jogar games, ler livros, ler E-books, ouvir músicas, assistir filmes e séries, e etc, podem evoluir bastante o aprendizado da pessoa em outro idioma.

      No seu caso, os games podem ser ferramentas importantes, visto que há vários diálogos em inglês. Eu aprendi muito jogando games no PC e no video-game.

      Vá anotando sempre os termos que você não conhece e pratique, especialmente, com eles.

      Abraços, bons estudos e bons jogos!

      Excluir
  22. Marcelo , parabens pelas dicas simples e objetivas.


    Adalberto Martins

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Adalberto. Valeu pelo comentário.
      Grande abraço

      Excluir
  23. Cara, muito obrigado mesmo, suas dicas de sites foram incríveis. Muito bom mesmo. Brigadão rapaz!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, Débson. Fico feliz que tenham sido úteis as indicações.
      Grande abraço e Feliz Natal.

      Excluir
  24. Estava procurando algo a respeito do "inglês falado" quando me deparo com esse post incrível. ( Site já está favoritado aqui):D

    Sou estudante autodidata a aproximadamente 2 meses e meio, e devido a minha profissão estar constantemente em contato com a língua inglesa,
    decidi aprender um pouco mais do idioma e simplesmente me apaixonei.

    Desde então eu mantenho um rotina de estudos e principalmente listening, e depois de ter lido seu post confirmei que essa realmente é uma das grandes armas para aprender qualquer idioma.

    Muito obrigado por ter escrito este post, estou muito feliz em saber que existem pessoas como você que possam estar passando um pouco de seu conhecimento e experiências.

    Bom eu tenho duas dúvidas,

    1° - Eu sei que estudar gramatica realmente pode confundir, mas eu gostaria de saber qual a melhor maneira de aprender os "phrasal verbs"? Decorando listas ? ou aprender naturalmente se acostumando com suas aplicações nas frases?

    2° - Quando eu assisto vídeos ou ouço podcasts de nível intermediário eu entendo bastante coisa, mas quando chega a hora de colocar em prática o que eu ouvi eu me enrolo todo, ou seja, as vezes misturo algumas palavras que acabam deixando a frase com a concordância errada, então gostaria de saber se posso fazer alguma coisa para melhorar o "speak" e também parar um pouco de pensar em português, tendo em vista que eu não tenho com quem praticar.

    Desculpe-me pela extensidade do comentário.

    Muito obrigado desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guilherme, obrigado pelo comentário! Por favor, não se desculpe por fazer um belo comentário. A intenção do sistema de comentários é exatamente esse: discutir e trocar informações.

      1) Esqueça essa história de decorar listas e mais listas dos phrasal verbs. E não digo isso somente por experiência própria. Nos EUA fiz amizades com professores de inglês e, segundo eles próprios, esse é o pior erro. O segredo para aprender os phrasal verbs é observando as partículas com as quais os verbos vêm acompanhados e observando o contexto. Aprenda um phrasal verb de cada vez, entenda como ele é usado, observe as palavras que estão sendo usadas antes e depois.

      2) Esse é um grande problema. No meu caso, meu problema era exatamente o contrário do seu. Meu speaking era melhor que meu listening. Adianto que parar de pensar em português estando no Brasil é um pouco difícil. Mas você pode tentar isso optando por meios simples: assistir bastante TV/vídeos/filmes em inglês (sem legenda), deixar o sistema do PC em inglês, participar de sites/fóruns gringos, e etc. Na verdade, nesta situação, não há como acelerar. Fazer com que seu cérebro pare de pensar em português leva um tempo considerável. Eu só perdi esse costume, de fato, quando fui para o exterior.

      O speaking muitas vezes não flui porque ainda não conhecemos o equivalente em inglês daquilo que sabemos em português. O que me ajudou bastante foi ler livros por partes, ir pesquisando cada termo e seus significados.

      Mas quer uma dica verdadeira? Fale certo ou fale errado, FALE, só assim você vai aprender. Falei muita coisa errada durante meu intercâmbio, porém, aprendi com esses erros. Pesquise por um fórum com conteúdo inglês na Internet, o qual possua um assunto que você goste. Cadastre-se nele e converse com os nativos. É a melhor dica que existe.

      Qualquer outra dúvida, não deixe de comentar!
      Grande abraço e um Feliz Natal meu amigo.

      Excluir
  25. cara...muito obrigado pelas dicas! foi ótimo ler e um grande abraço á vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada Wellington. Que bom que gostou do artigo.
      Um grande abraço e boas festas!

      Excluir
  26. Ola Marcelo, eu tambem tenho o mesmo problema do colega Guilherme, eu entendo muita coisa em ingles ao esculta. mas parece que a fala mexe com outro mecanismo do cerebro acho que é a parte criativa, Gostaria que voce se aprofudasse mais no metodo que voce usou, seria de grande avalia.

    ResponderExcluir
  27. Ola Marcelo, Amei suas dicas, mas ainda tenho uma duvida: amo a língua inglesa, acho muito interessante e gostaria muitooooo de aprender a falar inglês, porem não tenho dinheiro para pagar um curso, gostaria de saber se é possível aprender a falar fluentemente sem fazer curso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Claro que é possível. Eu sou autodidata, aprendi tudo sozinho. Além disso, há os cursos online grátis também.

      Primeiramente, você deve respeitar seu nível de aprendizado. Se seu inglês é básico, comece devagar, sem pressa. Leia, escute e procure por materiais baseados em seu nível. Se você já tem um inglês intermediário ou avançado, acho que o melhor caminho é ouvir podcasts e assistir filmes/seriados sem legenda.

      Agora, fluência mesmo eu só adquiri depois que eu fui morar fora. Lá a fluência vem sem você notar. Porém, conheço muitas pessoas que nunca saíram do Brasil, nunca fizeram curso, e falam fluentemente a língua. Tudo depende de ti. Dedicação aos estudos é o seu melhor caminho.

      Qualquer coisa é só dizer!

      Abraços

      Excluir
  28. estou a procura de um intercambio, estou muito em duvida no Pais que devo ir.. Canada ou Irlanda. Ja faço curso no Brasil (norte americano), mas quero me aprofundar ,ja que tenho dificuldade, e pela minha futura profissao, comissaria de bordo, sei que é muito necessario.

    Gostaria de sua ajuda.. qual Pais devo ir??

    desde ja agradeço

    Fernanda Portugal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda,

      Entre Irlanda e Canadá eu iria para o Canadá. Custo de vida não muito alto, mais fácil de conseguir visto, mais fácil de conseguir emprego, o inglês falado pelos canadenses é mais pausado, etc. A situação financeira da Europa afetou em cheio a Irlanda. Todos que estão lá estão loucos para voltar. Emprego está altamente difícil de conseguir.

      Atualmente, os melhores países para se fazer intercâmbio são Canadá e Austrália.

      Abraços

      Excluir
  29. Excelente artigo Professor Marcelo hihihih. Bem escrito e muitissimo bem explicado. Muito obrigada mesmo.

    Só me tira uma duvida que me atormenta ha anos e nunca consegui achar respostas?

    As vezes durante um filme ou seriado quando alguem faz uma pergunta, o personagem responde com do ou did. Tipo: Do you like PC? A resposta: I do.

    Como assim?? hihihihi

    Desde ja agradeço imensamente.
    Beijoxxx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amanda,

      Isso chama-se auxiliares. São as famosas "short answers". Isto é, você pode utilizar Do (presente), Did (passado) e Does (presente 3ª pessoa) como resposta curta/rápida também. Eles na verdade são uma mão na roda, e muito utilizados por nativos. Acredite, isso facilita muito sua vida.

      Veja uma excelente explicação no site abaixo para entender melhor e aperfeiçoar suas short answres (é bem fácil e útil).

      http://www.inglesonline.com.br/2009/08/20/do-does-did-os-auxiliares-alem-das-short-answers/

      Qualquer outra dúvida é só dizer!
      Abraços

      Excluir
  30. Ola Marcelo, td bem?
    Explorando o YT como vc disse, eu encontrei esse site que esta me ajudando muito. www.engvid.com Estou aprendendo muita coisa por la. Espero estar ajudando alguem aqui tb. Parabens pelo trabalho. Um grande abraco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sayuri, tudo bem? Quanto tempo! :)

      Poxa, gostei muito do site. Não conhecia ele. Vou acrescentar ao artigo. Bem didático e divertido o método de ensino dos professores, algo raro de se ver hoje em dia. Passarei a recomendar o site para meus alunos também pois o conteúdo é brilhante.

      Muito obrigada por compartilhar conosco sua descoberta. Espero que esteja tudo bem aí nos States.

      Have a good week.
      Hugs!

      Excluir
    2. Hi Marcelo,
      Tudo bem?
      Tudo muito branco e FRIIIIIOOOO por aqui.
      Que legal, fiquei feliz por estar colaborando com o seu Blog. Tenho assistido varias aulas pelo YT, mas este ENGVID eh o meu favorito! Ja tirei muitas duvidas por la. Obrigada pela oportunidade de compartilhar. Admiro muitissimo seu trabalho.
      Take care! kisses!

      Excluir
    3. Hello Sayuri, how are you doing?

      Conheço bem esse branco e esse friiio daí! Nada agradável, embora eu goste mais de frio do que de calor. Um frio de nos forçar a ficar em casa, tomando um café quentinho e apenas observar a neve preenchendo a rua, hehe.

      Eu é que agradeço sua dica, Sayuri. Muito legal mesmo o site. Já o acrescentei artigo (colocando os devidos créditos da indicação).

      Espero que esteja tudo bem por aí. Obrigada pela visita.
      Take care!
      Cheers

      Excluir
  31. Oi Pessoal!...

    Muinto bom os posts de vcs, esta me ajudando muito! Parabens a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nanda,

      Que bom que o artigo está ajudando você. Fico feliz em saber disso.
      Qualquer dúvida é só perguntar.

      Abraços

      Excluir
  32. PQP!! Que post bom da p****
    Parabéns de verdade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luan. Que bom que você curtiu o post.
      Bom proveito e qualquer dúvida é só dizer.

      Abraços

      Excluir
  33. Excelent!
    I loved it!
    I already use Livemocha. I really enjoy it. I will try the anothers sites you have suggested.

    Thank you very much!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you, Afonso. Enjoy it!

      Good weekend! ;)

      Take care

      Excluir

  34. Excelente seu blog Marcelo, parabéns!

    À uns 20 dias estou acompanhando e tirando muitas dúvidas.
    Sou autodidata há um mes e pretendo falar ingles fluente até o final do ano, com a sua ajuda tb... é claro!
    Desde já obrigada!
    Sol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Sol. Valeu por estar acompanhando e fico feliz por ter gostado.

      Parabéns pelo esforço e tenha certeza que, com estudo e vontade, até o fim do ano você já estará dando aulas de inglês, hehe. Desde já boa sorte e bons estudos.

      Por favor, qualquer dúvida ou problema, não hesite em me dizer.

      Abração

      Excluir
  35. Marcelo excelente post cara. Esta me ajudando demais com o ingles aqui.

    Mas me tira uma duvida meio besta mas que até hoje eu fico perdido.

    Quando devemos colocar o sinal de aspas simples (') entre as palavras?? tipo

    I've, It's, she's, didn't e etc.....

    Obrigado desde ja e parabéns mesmo.
    Valeu por compartilhar seus maravilhosos conhecimentos conosco.

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Jonas.

      Quanto a sua dúvida, ela é bem simples de entender. Isso chama-se contrações do inglês. Não é obrigatório, porém, muito utilizado no inglês informal. É bastante comum vermos elas sendo usadas por nativos, assistindo seriados, filmes e/ou ouvindo músicas. As contrações são úteis para resumir uma frase em apenas uma palavra simples. Veja algumas contrações comuns:

      I have - I've
      It is - It's
      Did not - Didn't
      Do not - Don't
      She is - She's
      He is - He's
      Who is - Who's
      They are - They're
      You are - You're
      Is not - Isn't
      There is - There's
      I will - I'll
      Should not - Shouldn't
      Cannot - Can't
      We'd - We had ou We would

      E por aí vai! Tem mais. Mas citei apenas as mais utilizadas.

      Usar a contração ou não é uma opção pessoal. A palavra terá o mesmo sentido. Ou seja, usar, por exemplo, I've e I have é a mesma coisa, a frase terá o mesmo sentido.

      Dê uma pesquisada por "contrações do inglês" no Google que você obterá vários resultados.

      Espero que tenha entendido.

      Abraços

      Excluir
  36. Olá Marcelo, sou Paloma tudo bem? ! Muito bom o seu post, me ajudou a ter mais coragem e paciência para aprender a lingua, vou para os E.U.A em janeiro, fazer intercâmbio, e vou começar a usar suas dicas para aprender.
    Pensei em fazer um curso, mas acho que vai ser só mais um gasto já que eu posso me dedicar e aprender.
    Fiz um ano de inglês, mas como sou bem timida quase não abria a boca na sala de aula, o que resultou em nenhum aprendizado. Tenho muita ansiedade em aprender, fico criando frases e me comunicando com amigos que falam, o unico medo que tenho, é de não seguir regras,e o famoso ''passo a passo'', mas não sei se isso é tão importante quanto parece na escola.
    Obrigada pelas ótima dicas, vou me esforçar muuuuuuuuuuito até dezembro, e em janeiro se Deus quiser, tudo dará certo.
    Se eu tiver alguma dúvida, ou querer compartilhar alguma coisa á respeito do meu estudo (sozinha), tu pode responder e-mail?


    até mais :) Paloma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paloma,

      Desde já lhe desejo ótimos estudos e um maravilhoso intercâmbio. Basta ficar tranquila, se dedicar mesmo e tudo ocorrerá bem. Vai por mim, lá não é bicho de sete cabeças. É até mais simples do que muitos imaginam.

      E, claro, posso responder e-mail, sim. É só enviar uma mensagem através desse formulário de contato do blog, identificando-se, que a gente conversa tranquilo.

      Abraços

      Excluir
  37. estou tentando aprender inglês espero que tuas dicas me ajudem,já rodei 2 vezes (compreensão e pronuncia)no curso e não sei mais o que fazer ,to começando a desanimar.

    ResponderExcluir
  38. Marcelo,

    Parabéns, seu post é ótimo.

    vc tem e-mail para tirar umas dúvidas?

    ResponderExcluir
  39. Oi Marcelo, também não sei se vou precisar desse post, mas gostei muito, tá muito bem explicado e me ajudou a ter uma noção muito boa de como seria. Parabéns!

    Quanto à dúvida, se não for demais explorar seu tempo, meu caso é o seguinte: termino a faculdade esse ano e to passando por uma crise existencial, acho que errei na escolha da faculdade, e por isso, não sei muito bem o que fazer por aqui. Meu inglês é péssimo, nunca fiz cursinho, mas tenho algum vocabulário mínimo (quase nadica) por ler músicas traduzidas em inglês, etc, mas tenho muita dificuldade em formular frases, ler, escrever. Enfim, é bem possível que ano que vem eu ainda esteja em crise existencial e profissional e penso que seria uma boa eu aprender a me virar sozinha, ter novas experiencias para tentar me encontrar e de quebra aprender a falar inglês. É uma boa eu arriscar, mesmo sem ter certeza se eu gostaria realmente de ir (apesar de não ter muito a perder ficando no Brasil)? E outra, eu gostaria de ir para trabalhar, porque não tenho dinheiro para estudar lá. Quanto, em média, eu teria que juntar para ir para os EUA? E como eu faço para saber onde eu poderia morar, e como eu faço para sair daqui já com um emprego em vista(existe essa possibilidade)? Desculpa a quantidade de perguntas, mas é que eu nunca viajei para o exterior e não conheço nada dessas coisas.
    Ah, outra pergunta! Eu já ouvi dizer que é muito bom trabalhar na Austrália, o salário é bem alto. Você sabe se as dicas do seu site valem para lá também? A dificuldade seria maior por não ter uma colônia de latinos?
    Muito obrigada!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cla. Tudo bem?

      Não se incomode com o número de perguntas. É um prazer respondê-las. Bem, vou por partes.

      1) Acho que o risco de enfrentar radicalmente uma nova cultura, um novo país, sem ter certeza de que é isso mesmo que deseja - mesmo não tendo nada a perder - é inviável. O que eu sempre recomendo às pessoas que conheço, é ter certeza de que é isso realmente que deseja fazer. Mas essa é apenas a minha opinião, ok?

      2) Olha, o gasto que você terá para ir morar lá certamente vai incluir estudo (aliás, é obrigatório para intercambistas). O dinheiro que você gastará varia de caso para caso, porém, adianto que não é barato. EUA é um país ótimo, mas muito rígido em relação a estrangeiros. Na verdade, poucos aconselham optar por lá primeiro, especialmente sem ter uma noção, no mínimo, intermediária do inglês. Contudo, eu recomendo os EUA 100% :)

      3) Sair daqui com emprego garantido é quase impossível, a não ser que trabalhe para alguma empresa que faça uma 'ponte' para você, ou através de uma faculdade (algumas garantem estágio aos estudantes), ou então através de programas do governo - como por exemplo o "Ciências Sem Fronteiras". Quanto a onde morar, sugiro que contrate uma agência de viagens. É o jeito mais prático e eles já oferecem várias opções de moradia ao cliente (seja na casa de uma hostfamily, pensões, alojamentos de estudantes e etc). NUNCA faça este tipo de viagem sem acionar uma agência especializada! Acredite, é o jeito mais seguro de pisar no exterior (onde as leis e tudo mais são bem distintas das do Brasil).

      4) As dicas do post são globais, válidas para qualquer país. No entanto, a Austrália está muito burocrática ultimamente. Um amigo meu voltou pois eles exigiram (com prazo) que ele ingressasse numa faculdade lá após 6 meses de moradia, e ele não conseguiu. O custo de vida da Austrália também não é muito agradável. Sidney, por exemplo, tem um custo de vida bem alto. Ao contrário de Perth, que está sendo uma cidade muito bem recomendada. Sobretudo, é verdade, a Austrália é um dos melhores países quando se trata de salário e trabalho. Embora eles sejam céticos demais, meu amigo, que era atendente de lanchonete, ganhava o equivalente a 650 reais por semana.
      Mas tenha em mente que tudo depende de seu inglês também. Quanto melhor o inglês, melhor será o emprego - consequentemente melhor será o salário. E vice-versa!

      5) Cla, quer um conselho de amigo? Fuja dessas "colônias de latinos". Quanto menos contato tiver com brasileiros, principalmente, melhor será seu desempenho em aprender o idioma. Um exemplo clássico é a Irlanda. Parece que lá tem mais brasileiro que irlandês, uma vez que é um país facílimo de entrar e minimamente burocrático em comparação aos demais de língua inglesa.

      Já pensou no Canadá? Lá é sensacional também e, segundo amigos meus que estão lá, conseguir emprego não é tão complicado. Além de o salário ser muito bom. Sem mencionar que, estando no Canadá, conseguir acesso e oportunidade nos EUA fica muito mais tranquilo.

      Para finalizar, considere também a opção de não morar nas capitais, pois, obviamente, possuem o custo de vida bem mais caro - embora as possibilidades sejam mais abrangentes.

      Se quiser conversar via e-mail, Cla, fique a vontade para me mandar seu endereço de e-mail (que não posto aqui nos comentários, é claro.), ou pelo formulário de contato do blog.

      Quaisquer outras dúvidas não hesite em perguntar.
      Abração e boa sorte!

      Excluir
    2. Marcelo, obrigada pelas respostas!
      Gostaria de conversar por e-mail sim, se possível. Meu e-mail é [EDITADO POR MARCELO]

      Entendi sua opinião quanto à incerteza de ir para o exterior, já ouvi alguns relatos de pessoas que passaram por alguns perrengues brabos.
      Você tem alguma noção de quanto mais ou menos seria o custo de uma viagem para os EUA ou Canadá, incluindo todos os gastos iniciais? Porque dependendo de quanto for, talvez seja inviável ir para o exterior.

      No meu caso, não me enquadro em nenhuma dessa possibilidades que você citou de sair daqui já empregado, então acho que teria que arrumar emprego por lá mesmo. Há casos de pessoas que vão e não conseguem arranjar emprego algum?
      Considerando que meu inglês é muito ruim, acho que seria impossível arranjar um emprego em que eu tivesse que lidar com o público. As pessoas que não sabem quase na da de inglês conseguem emprego fora, ou tem que ter mesmo uma noção intermediária?

      Sobre os países de destino, acreditava que o custo para ir aos EUA seria o menor e para países como Canadá e Austrália maior. Eu tinha pensado em ficar próximo à alguma dessas "colônias" de latinos, mas não exatamente nelas, para não me sentir tão perdida por lá, mas claro, a intenção é justamente aprender o idioma. Sobre o Canadá, já ouvi de um amigo meu que eles costumam odiar quem não fala o idioma deles, inclusive os nativos que moram nos locais em que se fala francês e etc. Daí nem tinha pensado no Canadá, e fora que lá é muito frio, acho que talvez fosse mais difícil de me acostumar ao local, a não ser que a recepção dos canadenses seja realmente muito melhor que a dos americanos né.

      Eu tinha imaginado ficar 6 meses, no máximo 1 ano, para aprender bem a língua e depois voltar. Você acha que a experiência vale mesmo a pena, levando em consideração a efetividade do aprendizado?

      Se puder, me responda por e-mail mesmo. Muito obrigada pela paciência, Marcelo!
      Abraço!

      Excluir
    3. Cla,

      Removi seu e-mail do comentário e já respondi por e-mail mesmo, ok?

      Abraços

      Excluir
  40. Ótimo post! O mais esclarecedor que vi até agora!
    Queria saber como se candidatar a uma vaga de emprego nos EUA.. como você fica sabendo das vagas? E se indica alguma empresa de intercâmbio..

    ResponderExcluir
  41. aprendi inglês sozinha e realmente ouvir uma pessoa falando é melhor que escutar áudios...porem as musicas me ajudaram muito neste processo tanto para conhecer palavras como a pronuncia.

    ResponderExcluir
  42. Álvaro Gabriel Domingues Costa1 de dezembro de 2014 06:51

    Estudo inglês há muitos anos e a dificuldade não passa: não consigo entender quando falam. Escuto mil vezes até que estiver por perto ficar louco e continuo na mesma. Me dá umas dicas do que e como escutar, por favor. Não tenho essa dificuldade para francês ou russo. E sou insistente. Me ajude. Obrigado. Gabriel.

    ResponderExcluir
  43. Marcelo boa noite! Gostaria de te pedir alguma dica como um socorro..rs...eu tenho dificuldades com o listening e para falar (vergonha eu acho), tenho contato com um estrangeiro que ate ja fala portugues e eu nao consigo destravar.....e eu nada.....ja tentei de tudo, nunca tive problemas de aprendizado anteriormente, por favor me ajude..é o meu sonho falar ingles..
    Muito obrigado! Abracos e parabens pelo excelente trabalho..

    ResponderExcluir
  44. Ola Marcelo, curti demais seu post, parabens pela iniciativa de auxiliar a compreensao no ingles. Bom, estou pretendendo fazer uma viagem pra NY e ja me dedico demais em aprender uma nova lingua, mas ainda tenho algumas falhas que por menor que seja atrapalham muito tanto pronuncia quanto compreesão. Gostaria de saber como voce faz pra dar aulas particulares, acredito eu que com aulas particulares eu aumentaria meu nivel. Por favor se puder me ajudar ficaria muito grato a ti. jose.elenilton@outlook.com aqui esta meu e-mail pra que possa (se possivel) me enviar detalhes de suas aulas. Obrigado pelas dicas.

    ResponderExcluir
  45. Hello!! Marcelo.
    Estou fazendo um curso de inglês e preciso muito das suas dicas, são ótimas. obrigada.
    bjus.

    ResponderExcluir
  46. Parabens...gostei das dicas...vou usa-las.

    ResponderExcluir